Notícias

Como notícias boas e más afetam sua saúde: estudo

22dez

Notícia boa e notícia ruim. Você tem noção do que elas provocam na sua saúde?

Um artigo da psicóloga Jodie Jackson traz finalmente esse comparativo e mostra como isso afeta o nosso dia-a-dia e o nosso organismo.

As descobertas de Jodie, que tem mestrado em psicologia positiva, mostram entre outras coisas, que a notícia boa melhora o humor e o otimismo e que a notícia ruim tem efeito pior que a droga. Ela diz:

“Há milhares de eventos acontecendo todos os dias e apenas alguns são considerados importantes.

A maioria dos casos de depressão e outros distúrbios, de acordo com vários estudos, aponta para um impacto severo em nossa saúde mental e física.

Eu me dediquei a pesquisar o que aconteceria se nós focássemos no positivo, e o que encontrei pode surpreendê-lo.

No meu trabalho com o Projeto de Jornalismo Construtivo [que mostra problemas e apresenta soluções], descobri que as notícias positivas podem ter um enorme impacto na sua saúde e no seu estado de espírito, e isso é um fato científico.

É por isso que precisamos de mais [notícia boa]: nunca antes nossas mentes tiveram tanta influência sobre a nossa felicidade como agora, quando vivemos em um mundo baseado em informação cada vez mais virtual.

As notícias negativas servem de propósito para iluminar muitos dos males do mundo, forçando a agenda pública.

Mas, há uma necessidade de abordar os efeitos psicológicos potencialmente prejudiciais da negatividade excessiva, especialmente quando a notícia negativa não está servindo a essa função nobre, mas sim uma decisão comercial tomada para chamar nossa atenção e não nos informar verdadeiramente sobre uma questão importante.

Notícia ruim é droga

Em primeiro lugar, observei isso como consumidora diária de notícias.

Descobri que minhas opiniões e crenças sobre o mundo que me rodeava tornavam-se cínicas, desconfiadas e até mesmo paranóicas, em função do foco implacável das mídias, focadas nos problemas e na representação contínua do pior da humanidade.

A percepção de que a notícia produziu uma forte experiência emocional me levou a fazer mestrado em psicologia positiva.

O meu entendimento inicial por trás do impacto psicológico do mundo da notícia estava de acordo com as descobertas de Shana Gadarian, professora associada da Escola Maxwell da Universidade de Syracuse, que estudou amplamente estes aspectos em relatórios sobre a saúde mental dos povos publicados no Washington Post.

Não fiquei surpresa ao saber que Mary McNaughton-Cassill, professora da Universidade do Texas-San Antonio, também realizou pesquisas sobre a relação entre consumo de notícias e ansiedade e concluiu que essas notícias negativas levam a níveis aumentados de desamparo, desesperança, depressão, isolamento, ansiedade, desprezo e hostilidade para com os outros, dessensibilização da informação apresentada e eventual desengajamento.

Charlie Booker recentemente sugeriu que a notícia negativa é mais perigosa do que as drogas, e Oliver Burkeman, autor do Antidote , apoia a pesquisa em que um número significativo de psicólogos tendem a desligar completamente as notícias, citando sua natureza deprimente como a causa .

Benefícios da notícia boa

Em vez disso, embarquei em busca de notícias de notícias positivas, que ainda me mantiveram conectado com assuntos atuais.

Quanto mais eu os procurei, mais eu achei que havia mesmo sites que se concentraram em notícias positivas, como Headlines for the Hopeful.

Eu me senti empoderada e inspirada por todas as notícias positivas que estava lendo e tive o desejo de usar esse novo poder para abordar alguns dos problemas com os quais fui constantemente confrontada.

Fiquei entusiasmada com o mundo e suas possibilidades, incluindo as iniciativas criativas que o tornavam um lugar melhor dia a dia.

Ao conduzir minhas pesquisas adicionais que em breve, vou publicar, ficou claro que ler notícias que se concentram em soluções, conquistas e construção de paz pode levar a níveis elevados de otimismo, esperança e auto-eficácia, onde as pessoas acreditam que o mundo pode melhorar e elas se sentem capacitadas para contribuir.

Também mostrou que as pessoas melhoraram os níveis de humor, uma melhor perspectiva, uma fé restaurada na humanidade, níveis mais elevados de enfrentamento ativo e maior engajamento.

 

fonte:sonoticiaboa